Imprensa

Teste que detecta HPV é aliado contra o câncer de colo de útero

Para Febrasgo, o exame capaz de detectar os tipos mais nocivos do HPV deve ser incorporado no rastreamento primário da doença

 

Numa tentativa de frear o número de novos casos de câncer de colo uterino, especialistas defendem novas práticas para a detecção precoce da doença no país, que deve acometer cerca de 16 mil mulheres até o fim de 2018, segundo dados do Instituto Nacional do Câncer (Inca).

Uma delas é o uso do teste de HPV de alto risco no rastreamento primário dessa neoplasia na rede pública de saúde. O método – capaz de identificar os tipos mais nocivos dos vírus causadores da doença – faz parte da proposta de adequação das ações de rastreamento do câncer de colo uterino, elaborada pela Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo), e entregue ao Ministério da Saúde em junho deste ano. 

De acordo com o documento, apenas 20% dos casos da doença hoje são diagnosticados no estágio inicial por meio de rastreamento. “Uma das causas que contribuem para a baixa eficiência do diagnóstico precoce é a baixa sensibilidade da citologia (Papanicolau) para detecção de lesões, além da dificuldade de se estabelecer um controle de qualidade deste teste”, explica a ginecologista Neila Speck, professora do Departamento de Ginecologia da Escola Paulista de Medicina (Unifesp). Segundo a especialista, o teste de HPV – que já é oferecido nas clínicas particulares do país – permite um controle de qualidade mais eficiente por ser automatizado, identificando a presença do vírus mesmo em mulheres sem sinais e sintomas da infecção.  “O principal benefício desse tipo de exame é o seu alto valor preditivo negativo.  Ou seja, um exame negativo praticamente assegura a ausência de lesão por um longo período de tempo”, ressalta Neila.

O dossiê da Febrasgo recomenda o teste de genotipagem para HPV para mulheres de 30 a 64 anos, com intervalo de 5 anos para aquelas que apresentarem resultado negativo. Se o exame der positivo, a recomendação é que a paciente seja encaminhada para a colposcopia quando a positividade for para os tipos 16 e 18; se a positividade for para os outros tipos de HPV de alto risco, realiza-se o Papanicolau, que se alterado, a mulher necessita complementar o diagnóstico com a colposcopia.

O exame foi incluído na primeira Lista de Diagnósticos Essenciais1, divulgada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) neste ano. O catálogo traz 55 testes para a detecção, diagnóstico e monitoramento de doenças prioritárias, dentre elas, a infecção pelo HPV.

 

Sobre o câncer de colo de útero

A doença é um tipo de tumor maligno que ocorre na parte inferior do útero, região também conhecida como cérvix. Em estágios avançados, pode comprometer outros órgãos, como a bexiga, o reto, a vagina, comprimir os ureteres e levar à morte por insuficiência renal.

Esse tipo de câncer é o terceiro mais frequente entre as mulheres no Brasil - ficando atrás apenas dos cânceres de mama e de cólon e reto - e o quarto que mais mata. Segundo dados do Inca, a mortalidade pode chegar a 5 casos em 100 mil ao ano2.

Causado pelo papilomavírus humano (HPV) em 99% dos casos3, a doença é um dos poucos tipos de câncer que pode ser prevenido, com vacina, rastreio com teste de HPV e tratamento de lesões precursoras.

Ir ao médico e manter os exames ginecológicos em dia é fundamental para evitar a neoplasia. “Quando as alterações que antecedem o câncer são identificadas e tratadas, é possível prevenir a doença em quase 100% dos casos”, alerta Neila Speck.

 

Referências

1.http://www.who.int/medical_devices/diagnostics/EDL_ExecutiveSummary_15may.pdf        

2.https://www.paho.org/hq/index.php?option=com_content&view=article&id=5420&Itemid=3637&lang=es

3. https://www.cancer.org/cancer/cervical-cancer/causes-risks-prevention/risk-factors.html

 

Sobre a Roche

A Roche é uma empresa global, pioneira em produtos farmacêuticos e de diagnóstico, dedicada a desenvolver avanços da ciência que melhorem a vida das pessoas. Combinando as forças das divisões Farmacêutica e Diagnóstica, a Roche se tornou líder em medicina personalizada - estratégia que visa encontrar o tratamento certo para cada paciente, da melhor forma possível. É considerada a maior empresa de biotecnologia do mundo, com medicamentos verdadeiramente diferenciados nas áreas de oncologia, imunologia, infectologia, oftalmologia e doenças do sistema nervoso central.

A Roche também é líder mundial em diagnóstico in vitro e diagnóstico de câncer em tecido, além de ocupar posição de destaque no gerenciamento do diabetes. Fundada em 1896, a Roche busca constantemente meios mais eficazes para prevenir, diagnosticar e tratar doenças, contribuindo de modo sustentável para a sociedade. A empresa também visa melhorar o acesso dos pacientes às inovações médicas trabalhando em parceria com todos os públicos envolvidos. Vinte e oito medicamentos desenvolvidos pela Roche fazem parte da Lista de Medicamentos Essenciais da Organização Mundial da Saúde, entre eles, antibióticos que podem salvar vidas, antimaláricos e terapias contra o câncer. Pelo oitavo ano consecutivo, a Roche foi reconhecida como a empresa mais sustentável do grupo Indústria Farmacêutica, Biotecnologia e Ciências da Vida pelos Índices Dow Jones de Sustentabilidade (DJSI). Para mais informações, visite www.roche.com.br.

Todas as marcas registradas utilizadas ou mencionadas neste release são protegidas por lei.

 

Contatos para a imprensa

In Press Porter Novelli
Patrícia Sperandio
patricia.sperandio@inpresspni.com.br
11 4871-1485