Além do fumo

Substâncias químicas, genética e poluição também aumentam as chances de desenvolvimento do câncer de pulmão

O hábito de fumar é, sem dúvida nenhuma, o maior fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pulmão. Estudos mostram que 90% dos casos da doença estão relacionados ao tabagismo 1.

Apesar da enorme incidência entre os fumantes -- incluindo os passivos, que inalam a fumaça do cigarro de outros --, o câncer de pulmão pode afetar também indivíduos que não têm contato com o cigarro.

Algumas profissões, como a construção naval, a mineração e a produção de freios, expõem o trabalhador a substâncias químicas que são altamente cancerígenas, como arsênico, berílio, cromo, radônio, níquel, cádmio e cloreto de vinila. O amianto, material usado na indústria de materiais de construção, principalmente na confecção de telhas, é outra substância que comprovadamente aumenta o risco de câncer de pulmão 1.

A genética, como sempre ocorre com o câncer, é um importante fator de risco para o desenvolvimento da doença. Indivíduos que têm histórico de câncer de pulmão na família têm maior predisposição para desenvolvê-lo 2.

Nos últimos anos, vários estudos vêm mostrando que o contato com a poluição do ar faz crescer de forma expressiva as chances de desenvolvimento de tumores de pulmão. Diante dessas informações científicas, a Organização Mundial de Saúde (OMS) passou a incluir a poluição atmosférica no primeiro grupo de substâncias que representam risco para a doença 1.

 

Referências

1 Instituto Oncoguia. Câncer de pulmão: fatores de risco vão além do tabagismo. Disponível em http://www.oncoguia.org.br/conteudo/materia-cancer-de-pulmao-fatores-de-risco-vao-alem-do-tabagismo/4564/8/

2 Hospital do Câncer de Barretos. Câncer de pulmão – Fatores de risco. Disponível em https://www.hcancerbarretos.com.br/cancer-de-pulmao/93-paciente/tipos-de-cancer/cancer-de-pulmao/175-cancer-de-pulmao-fatores-de-risco