Texto por: Raquel Prazeres
 

Revisão e supervisão médica: Dr. Breno Álvares de Faria Pereira | CRM–GO: 6128
Reumatologista e pediatra; ex-fellow researcher de Reumatologia do Children’s Hospital of Philadelphia (EUA); mestre pelo IPTSP-UFG; professor assistente da Faculdade de Medicina da UFG

 

A artrite reumatoide é uma doença crônica, que se caracteriza pela inflamação (dor, inchaço, calor e, às vezes, vermelhidão) em diversas articulações. Ela é provocada por alterações no sistema de defesa do corpo, também conhecido como sistema imunológico que, algumas vezes, se desequilibra e passa a atacar o próprio organismo, podendo danificar vários órgãos. Essas doenças são chamadas de autoimunes e a artrite reumatoide é uma delas1.


Com a progressão da doença, as pessoas com AR podem desenvolver dificuldades para a realização de atividades diárias, reduzindo a qualidade de vida e podendo gerar impactos econômicos significativos para os pacientes2. Por isso, é muito importante que o diagnóstico seja feito o quanto antes a fim de evitar sequelas e complicações e de garantir a manutenção do bem-estar individual.

Para fazer o diagnóstico de artrite reumatoide, primeiramente, o médico conversa com o paciente para conhecer sua história e seus sintomas. Essa é uma etapa importante, já que o diagnóstico é essencialmente clínico. Em seguida, o médico realiza um exame físico em busca de sinais que caracterizem a doença1. Durante a história e o exame físico, entre outros, são avaliados:

 

  • Ocorrência de rigidez matinal nas articulações;

  • Intensidade da dor articular;

  • Número de articulações acometidas pela dor;

  • Limitação da função das articulações afetadas.

 

Além disso, o médico também pode solicitar exames de laboratório. Alguns desses exames são úteis no diagnóstico e na avaliação do grau de inflamação (as “provas de atividade inflamatória”). Aproximadamente dois terços dos pacientes apresenta um anticorpo autoimune no exame de sangue chamado de fator reumatoide. A presença dele ajuda no diagnóstico, mas sua ausência não elimina a possibilidade da doença. Geralmente, quando presente, mais a doença tende a ter um curso pior1,3.

 

Alguns dos exames que podem ser solicitados pelo médico são2:

 

  • Hemograma completo

  • Velocidade de hemossedimentação

  • Proteína C reativa

  • Função renal

  • Enzimas hepáticas

  • Exame qualitativo de urina

  • Fator reumatoide

  • Análise do líquido sinovial (se necessário para excluir outras doenças)

  • Exames de imagem (radiografia, ultrassom, tomografia, ressonância)

O Colégio Americano de Reumatologia (ACR) e a Liga Europeia contra o Reumatismo (EULAR) elaboraram, em 2010, um conjunto de critérios que permitem classificar um indivíduo como portador da doença.3

 

É obrigatório que o paciente tenha tido pelo menos uma junta com artrite (sinovite) não justificada por nenhuma outra doença – a partir daí, são atribuídos pontos para os seguintes achados:

 

Envolvimento articular (juntas dolorosas/inchadas):

1 grande articulação
0
2 a 10 grandes articulações
1
1 a 3 pequenas articulações (c/ ou s/ envolvimento de grandes)
2
4 a 10 pequenas articulações (c/ ou s/ envolvimento de grandes)
3
Mais de 10 articulações (pelo menos 1 pequena articulação)
4

 

Sorologia (exames de sangue):

Fator reumatoide e anticorpos antipeptídeos citrulinados cíclicos (anti-CCP), ambos negativos
0
Fator reumatoide e anti-CCP, ambos fracamente positivos
2
Fator reumatoide e anti-CCP, ambos fortemente positivos
3

 

Reagentes de fase aguda (provas de atividade inflamatória)

VHS (velocidade de eritrossedimentação) e PCR (proteína C reativa), ambas normais
0
VHS (velocidade de eritrossedimentação) e PCR (proteína C reativa), ambas elevadas
1

 

Duração dos sintomas

Menos de 6 semanas
0
6 semanas ou mais
1

 

Segundo esses critérios, somando-se todos os pontos, um paciente é classificado com artrite reumatoide quando atinge um escore maior ou igual a 6.

 

Referências:

  1. Hospital Sírio-Libanês. Artrite Reumatoide [Internet]. Acessado em: 14 jul 2020. Disponível em: https://www.hospitalsiriolibanes.org.br/hospital/especialidades/reumatologia/Paginas/artrite-reumatoide.aspx.
  2. Laurindo IMM et al. Artrite reumatoide: diagnóstico e tratamento. Ver Bras Reumatol. 2004;44(6):435-442.
  3. Aletaha D et al. 2010 rheumatoid arthritis classification criteria: an American College of Rheumatology/European League Against Rheumatism collaborative initiative. Ann Rheum Dis. 2010;69(9):1580-8.