Para conscientizar a sociedade sobre a importância da participação feminina no campo da ciência, a ONU criou, em 2015, o Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, celebrado oficialmente no dia 11 de fevereiro. Trata-se de um alerta à comunidade internacional de que a ciência e a igualdade de gênero devem avançar lado a lado, com a finalidade de enfrentar os principais desafios mundiais e alcançar todos os objetivos e metas da Agenda 2030.
 

Pensando em inspirar outras mulheres e meninas a seguirem no caminho da ciência, convidamos três colaboradoras Roche para compartilharem sua trajetória e ressaltarem a importância das mulheres no ambiente científico do Brasil. Confira as histórias da Aline, Lais e Waleuska:
 

Aline Oliveira
Líder de Operações Clínicas

"Iniciei minha jornada no mundo acadêmico em 2012, quando me apaixonei pela imunologia. Comecei a me aprofundar nesse universo durante a iniciação científica, na UNESP. Um ano e meio depois iniciei o mestrado em imunologia, na USP, estudando principalmente a influência da melatonina nas células do sistema imune no combate ao câncer de mama.
 

A experiência de bancada e da academia, como um todo, me trouxe uma grande bagagem teórica e prática, me permitindo entender mais a fundo os mecanismos envolvidos no sistema imune e vivenciar discussões, experiências e aprendizados do mundo acadêmico. Mas, mais do que isso, essa experiência me permitiu ter momentos de reflexões e autoconhecimento, desenvolver ferramentas de autogestão, refletir e discutir sobre a sociedade e o futuro da ciência no Brasil e, principalmente, me inseriu em um universo de pessoas completamente diferentes entre si e com mentes brilhantes, muitas delas as quais posso chamar, com grande orgulho, de amigos."




Lais Ribeiro dos Santos
Analista de Farmacovigilância

"Falar da mulher na ciência é uma grande conquista, uma realização, é olhar para trás e lembrar meu principal motivo de estar aqui, Maria Izabel, a minha mãe. Ela faleceu em 2013 após consequências graves de um derrame e erros médicos, que na época eu não pude perceber ou agir, por não ter conhecimento, suporte e condições financeiras.
 

Sempre foi um sonho e a Farmácia, a Farmacovigilância trouxe significado e propósito para minha vida. Tenho orgulho de poder ajudar a disseminar a educação na saúde, levar tecnologias e inovações farmacológicas. Me sinto imensamente grata à Roche, que me dá oportunidades todos os dias de mudar a vida de tantas outras filhas de “Marias”."




Waleuska Spiess
Head de Operações Clínicas da
Roche Farma do Brasil

"Ao ingressar na Faculdade de Farmácia não conhecia a amplitude do mercado de trabalho que é oferecido aos farmacêuticos. Meu primeiro estágio foi em um projeto de Iniciação Científica no Laboratório de Análise de Alimentos que tinha como objetivo entender melhor as proteínas do feijão, para obter uma bolsa da FAPESP precisei conhecer toda a metodologia necessária para escrever um projeto científico. Após um ano, comecei a estagiar na Farmácia de um Hospital Municipal de São Paulo agora, o foco era a Atenção Farmacêutica e tive a oportunidade de trabalhar com a dispensação de medicamentos através da Dose Unitária, especialmente importante para os pacientes pediátricos pois através desse processo garantimos que o paciente receba a dosagem correta de acordo com a prescrição médica. A partir desse estágio me encantei com o cuidado com os pacientes e o seguinte passo foi a Pesquisa Clínica. Mais uma vez me deparei com constantes aprendizados,conhecimentos científicos dentro da inovação de desenvolvimento de medicamentos, construção de relacionamentos, comunicação e o que mais gosto conhecer e me envolver com diferentes culturas mas que tem o mesmo foco que é buscar melhorar a vida dos pacientes."


A Roche na equidade de gênero


Na Roche, desde 2016, temos uma frente de Equidade de Gêneros, o JOIN. A ideia de criar um grupo formal para discutir a equidade de gênero veio com o principal objetivo de reunir pessoas que queiram entender a representatividade feminina na Roche, no mercado brasileiro e no mundo.
 

Além de funcionar como uma rede de troca de informações, a frente se dedica a entender o panorama da Roche e do mercado e propor um plano de ação para garantirmos e ampliarmos a equidade de gênero na companhia.
 

Em 2019 aconteceu um marco importante para o trabalho dessa frente: a adesão da Roche Farma Brasil aos Princípios do Empoderamento Feminino, da ONU Mulheres e do Pacto Global - dando ainda mais força ao tema dentro da empresa.