Online pela primeira vez, o treinamento oferece 9 vagas e terá duração de cinco semanas



O jornal A Folha de S. Paulo realiza mais uma edição do Programa de Treinamento em Jornalismo de Saúde. 

 

Totalmente online pela primeira vez e com duração de cinco semanas, o tradicional programa acontece há oito anos. Ele inclui aulas de jornalismo diário, palestras com renomados especialistas da área da saúde e da comunicação, conversas com editores e repórteres do veículo e exercícios práticos que reverberam em reportagens especiais do programa.

  

A seleção para o treinamento, que escolheu 9 pessoas entre os 1.620 candidatos inscritos, aconteceu em duas etapas. A primeira, por meio de uma prova online com questões de português, inglês e conhecimentos gerais. Os candidatos com melhor colocação avançaram para a segunda etapa, na qual foram entrevistados à distância por Suzana Singer, editora de especiais e treinamento. 

 

O programa é patrocinado pela Roche Farma e este ano ganhou também o apoio da Rede D’Or São Luiz​. 

 

No fim de outubro, mês inicial do treinamento, uma das atividades teve como foco a medicina personalizada. O head de medicina personalizada da Roche Brasil, Marcelo Oliveira, compartilhou com os participantes o cenário e a importância desse setor atualmente. Além disso, explicou sobre jornada de assistência personalizada e como isso impacta na vida dos pacientes. Sua equipe da Roche apresentou um case de sucesso e mostrou alguns dados sobre o assunto.  

 

“O jornalismo de saúde exerce papel fundamental e valor inestimável à sociedade por meio da disseminação da educação em saúde. Trata-se de uma atividade necessária não só para conscientizar a população, mas também para impulsionar discussões relevantes sobre melhorias e a sustentabilidade de todo ecossistema. É um orgulho para a Roche incentivar o futuro do jornalismo de saúde e uma sociedade mais empoderada por meio da informação”, comenta Regina Moura, diretora de Comunicação da Roche Farma, sobre o apoio da empresa ao programa.  

 

Para Ana Bottallo, participante da turma de 2018, o treinamento trouxe uma nova atuação profissional e o conhecimento de como é a vida em uma redação. "Já sabia interpretar artigos científicos pela minha formação como bióloga, mas o programa [de trainee] trouxe uma habilidade de traduzir os textos para uma linguagem de fácil acesso. A sociedade tem muito interesse em conhecer o que a ciência produz, o problema são os textos, rígidos e de difícil penetração. Aprendi a melhorar minha escrita e quebrar essa barreira durante o treinamento." 

 

Confira aqui o anúncio dos candidatos selecionados!